CENA
Sexta-feira, 22 de Maio de 2009
Anjos e Demónios

 

 

Angels & Demons

 

Comece-se por constatar o óbvio: é sempre uma tragédia quando, na tradução de um título do inglês nativo para o nosso léxico, se perde uma coisa tão fascinante como o “e comercial”. Se, no título original, Anjos & Demónios está assim, mais parecendo que se trata de sócios daquela loja de tatuagens que é daquela mulher toda tatuada que parece ser obrigatório entrevistar sempre que há uma bodega duma reportagem sobre tatuagens, então era deixar estar, não custava nada. Qualquer pessoa de bem e com as prioridades perfeitamente alinhadas, entra, portanto, logo de nariz torcido para ver este filme e com absoluta razão. Quanto à obra em si, pode-se dizer que foi beber acentuadas influências à sempre fascinante – e clássica, em termos de produção de má qualidade - fórmula do “perito em qualquer matéria estupidamente específica vê-se numa corrida contra o tempo para salvar a vida a um tigelada de inocentes, sendo que ainda encontra sempre tempo para, educadamente, explicar o seu raciocínio a todas as pessoas com quem estiver na altura, isto antes de sair a correr”. Sair a correr de, note-se, fato e sapatos – o ideal para correr na calçada romana – e para, repare-se, ir à procura de estátuas em Roma que estejam a apontar os dedos em alguma direcção e depois correr para lá à procura de mais estátuas; porque, pelos vistos, essa é a única forma de tentar salvar quatro cardeais raptados por uma organização secreta que não piava há quatrocentos anos. Esta complexa organização , que, vai-se a ver, e é composta por apenas um gajo e um colaborador (um assassino a soldo, cuja única razão para não matar o Tom Hanks parece ser “Eia, aquele é o Tom Hanks, caraças! Qu’é qu’ele ‘tá aqui a fazer?!?”), tem então os cardeais em cativeiro, mas tem ainda uma bomba que vai rebentar com o Vaticano inteiro, se não mesmo com grande parte de Roma. Enfim, há ainda as reviravoltas habituais, com os maus a serem os bons e vice-versa, mas o que realmente fica deste filme é o facto de ser pior que “O Código Da Vinci”, essencialmente porque este último já foi há muito tempo e ninguém se lembra o quão mau é. De lembrar que, quem chegar atrasado, não vê o Tom Hanks a nadar numa piscina às 5 da manhã e, a julgar pelos calções, em 1988.

O melhor de Anjos e Demónios: agora já sei usar as palavras “anagrama” e “ambigrama” numa conversa, embora não saiba o que querem exactamente dizer, sobretudo a segunda.

 

O mais ou menos de Anjos e Demónios: quando toda a gente pensava que a escolha de um novo Papa obedeceria sempre a regras extremamente rígidas e estanques há centenas de anos, eis que este filme nos mostra que qualquer moço de recados da estrutura do Vaticano pode chegar a Sumo Pontífice, desde que pegue numa espécie de super bomba que vai rebentar daí a cinco minutos, pegue num helicóptero, suba o mais que puder no céu até aquilo estar quase a explodir e se atire de pára-quedas, acertando com os joelhos e os pés na cara dum monte de pessoas quando cá chegar abaixo. Parece uma prova de candidatura complicada, mas até que compensa arriscar, uma vez que ser Papa é mesmo um dos melhores empregos (tem direito àquele carrinho de golfe todo blindado, etc.).   


O pior de Anjos e Demónios: Este filme mostra o que já se sabia há muito, que aqueles sistemas de segurança baseados em identificação de retina é meio caminho andado para um mau nos dar cabo duma vista. Não custava nada desenvolverem qualquer coisa relacionada com a identificação de mindinho, que não é preciso a ninguém e não se perde muito se os maus nos deceparem aquilo para entrar e roubar coisas importantes. Mindinho do pé, que da mão as pessoas ainda notam e comentam.

Classificação:
4.5/10

 

Crítico Cine Limpo

T.C.



publicado às 00:00
comentar

Comentários

De Anónimo a 28 de Maio de 2009 às 12:57
Bacano o pé não que perdes o equilibrio e depois pareces alcoólico, é preferivel uma identificação através do cabelo, que mesmo que to cortem ele volta a crescer e já não parece assim tão mal nem causa danos permanentes. é só uma sugestão.


De m a 26 de Maio de 2009 às 01:54
parti-me a rir, está excelente!!! mas é natural que haja gente com outra opiniao. também muitos gostaram do “O Código Da Vinci”, um filme que eu vi e achei terrível.muito mau mesmo.
esta crítica no fundo goza com os clichés e a receita sempre igual da maioria dos blockbusters. por isso os fans deste tipo de cinema básico nao acham muita piada a isto he,he... ganda cena! só acho é que deram demasiados pontos. nao faco tencao de ver este filme mas pela amostra que foi “O Código Da Vinci”, 4.5/10 parece-me muito.


De Aquele a 27 de Maio de 2009 às 02:30
ya, é que o "codigo da vinci" e o "anjos e demonios" são livros cheios de cliché! então nao!!

não te cures que não é perciso.


De Jave a 27 de Maio de 2009 às 22:07
oh poeta, diz lá então o que é uma cena cliché e uma nao cliché. Cá para mim tu deves ser daqueles que gosta de saramage bhaaa


De m a 28 de Maio de 2009 às 13:37
bem, basicamente “O Código Da Vinci” gira à volta das aventuras e desventuras dum americano muita porreiro e inteligente acompanhado por uma gaja boa e também ela,claro, muita inteligente. o americano é injustamente perseguido pela bófia e ao mesmo tempo pela máfia dos católicos, psicopata e muito malvada... os dois heróis contam apenas com eles próprios e a sua extraordinária inteligência para levarem os maus de vencidos e (nao se estava nada à espera;) conseguem-no. E etc... se isto vos parece um argumento original têm me de dizer de que planeta acabaram de chegar. A ideia para a história é boa (por isso quis ler livro)a forma como é posta no papel é que é um cliché do princípio ao fim.


De Eu a 28 de Maio de 2009 às 16:16
cliché?
hahahaha, vai ver a defnição da palavra cliché e começa a pensar pela tua cabecinha, só vens para aqui mandar psotas de pescada sorbe o filme pk o blog mete ua dizer no cine limpo k o filme era mau, se fissesem k era bom lá estavas tu a dizer que o filme era extraordinario, hahahah, cambada de cordeiros.

mas ya, é de todo cliché!! um americano especializado em SIMBOLOGIA na casa dos 40 E TAL ANOS acaba por se envolver num caso EM FRANÇA, onde acambam por estar em questão uma teoria de MAIS POLEMICA DOS ULTIMOS ANOS sobre a relegião catolica, teoria essa que vai para LÁ da ficção, no meio disto tudo mete a opus deis(que por acaso até existe e são de facto um culto, ja viste?!?! cum caneco)em que mete a igreja com um lado negro(cosia que de facto não tem!! ora essa, a igreja é cheia de boa gente!).

mas enfim, cheio de cliché, não é? xD

banana.


De m a 28 de Maio de 2009 às 21:17
eu! nao te enerves meu, eu nao gostei mesmo do livro e muito menos do filme. tens de aceitar o facto de haver mais gente alem do pessoal deste blog a nao gostar do filme, é uma situacao perfeitamente normal. fui confirmar a definicao de cliché e realmente corresponde à ideia que tinha da palavra: " Matriz reprodutora de estampas; Fig. Molde ou vulgaridade que a cada passo se repete"; = chavão, lugar-comum".
quanto à história à volta do da vinci e da "teoria MAIS POLEMICA DOS ULTIMOS ANOS", é óbvio que era a isso que me referia ao dizer que a ideia base para a história era boa.mas, repito, a forma como é trabalhada é que é foleira. é verdade que a opus dei é uma organizacao ultra conservadora, retrógrada e à semelhanca da maconaria tem muito poder nas sociedades dos países católicos, mas nao é o monstro descrito no livro. para finalizar, olha que 40 e tal anos é uma óptima idade para um herói. que idade é que achas que tem o 007, bruce willis no die hard ou mesmo um tom cruise no mission impossible!?
ok eu acalma-te lá pá, vai ver uns episódios do aleixo na escola, do humor de salao ou do programa do aleixo que isso passa. aquilo é humor do melhor. e sem clichés.


De Eu a 29 de Maio de 2009 às 02:36
eu estou eprfeitamente calmo! bem pelo cotnrario, deste me foi uma valente de uma gargalhada!

1ºagora que ja sabes o que quer de facto dizer cliché, então aponta-me lá os clichés nos filmes rapa,z é que eu nao os vejo, haha

2º no mission impossible a personagem do tom cruise tem no maximo uns 30 anos e etc etc, como é obvio refria-me á idade da personagem e não do actor em questão, e como é obvio, o Tom Hanks tá longe de ser o tipico actor a caracterizar de forma CLICHÉ uma personagem, como as de que falas-te, haha.

2-0, ganho eu, vai ver gato fedorento, os reis do humor portugues que já te passam os "clihés" xD


De Angelodias a 23 de Maio de 2009 às 18:58
Ora Viva!
Adorei a crítica ao filme e posso informar que cancelei a assinatura da revista Premiere desde que cá venho. Poupei na revista e também nas idas ao cinema :)

Se quiserem saber como se volta a reacender a chama num casamento entre idosos, passem pelo meu blog.

Abraço e continuação...Oh Stora vá lá.....


De BeatrixKiddo a 23 de Maio de 2009 às 14:36
Achei excelente esta crítica do Cine Limpo (note-se critica e não comentário)... Achei lindo a forma como está escrito, a ironia... e a boa educação só vem deixar mais uma pitada de inteligência.

Apesar de ter gostado desta critica... não quer dizer que o que está escrito se torne numa realidade absoluta, ou seja, não quer dizer que concorde… que o filme seja mau… Até porque não vi o filme, mas tenho a dizer-vos que realmente não o vi porque já vi o trailer e não achei nada interessante – Quando se vê o trailer de um filme …. vê-se o filme todo – E este é apenas uma continuação/repetição do Código da Vinci e uma pessoa fica farta de ver o Tom Hanks naquele ambiente...blá blá blá… e depois nem o livro li…quanto mais…

O que quero dizer também é que nós não precisamos de opiniões ou análises de críticos de cinema. Podemos pensar por nós próprios e os críticos de cinema (ou de qualquer outra arte) não servem para nada, só servem para criticar (quase sempre negativamente) o que os outros fazem. E por mais que tentem nunca vão deixar de ser pseudo-intelectuais. Os verdadeiros intelectuais são aqueles que criam.

O que o Cine Limpo faz é criação de humor mais do que outra coisa. Se não estou enganada quanto as intenções do autor do Cine Limpo…. Eles utilizam o próprio conceito de critica de cinema para criar humor…
E pelos vistos há pessoas que não entendem isso, ficam tristes porque determinado filme teve má pontuação – Pontuação dada pelo Cine Limpo.

Li os comentários, porque isto de facto é divertido… tanto alvoroço… e por isso decidi participar…

O comentário do senhor Javé…. Não entendi bem o seu raciocínio, uma vez que não se percebe se está a reprovar quem escreveu a crítica ou o próprio filme.
Há uma situação que até concordo com o Javé…. Os filmes portugueses… realmente... em 5 palavras... 10 são asneiradas… (como se isso tornasse o filme mais empolgante ou real… nem todos os portugueses falam assim…com asneiradas...) É por isso que os filmes do Manuel de Oliveira são bonitos.



De Javé a 22 de Maio de 2009 às 22:23
Que comentário mais pseudo-intelectual. Pá o gajo que escreveu isto deve-se achar muita inteligente carago. Ya men que tristeza, um caminho escondido em Roma e estátuas a apontar para pontos. Pá e depois ainda tem tempo para explicar o seu raciocínio ás suas pessoas cá burro. Na vida real nada disso acontece, aliás as estátuas não estão lá, os iluminati não existe e todos os gajos que tentam parar ataques terroristas nunca falam uns com os outros a explicar os raciocínios. Porque nem faz sentido um gajo nunca, mas nunca deve explicar o seu raciocínio aos outros especialmente se queremos encontrar um assassino ou encontrar uma bomba. Mas o mais ridículo é o facto dele explicar tudo sem dizer palavrão e falar educadamente, o pessoal aqui tá tão habituado ver BONS filmes portugueses, onde nem 5 palavras 10 são asneiras, que depois estranham filmes onde as pessoas falam normalmente.

Outra coisa que concordo plenamente é que de facto mostra como é fácil ser papa. BASTA ser padre, matar uma papa, contratar um assassino para matar 4 cardiais, arranjar uma espécie de super bomba , pegar num helicóptero, subir o mais que puder no céu até aquilo estar quase a explodir e se atire-se de pára-quedas, acertar com os joelhos e os pés na cara dum monte de pessoas quando cá chega abaixo. Coisa fácil segundo aqui o pessoal.



ps: o comentário do & também é estúpido e não, não tem piada.


De Rui a 22 de Maio de 2009 às 22:39
Eu por acaso achei piada à cena do &.
E achei piada ao texto. Achei mais do que a este comentário. Não sei se era pra ter piada ou não. Mas não teve. Parecia só o comentário de um gajo que não tinha achado piada à critica do filme. E que não gostava de pseudo-intelectuais. Não me pareceu muito interessante.


De Anónimo a 23 de Maio de 2009 às 01:20
Sim, não percebo de onde é que surgiu tanta gente indignada. O cine limpo tem como objectivo mostrar situações caricatas em filmes, não mostrar o entusiasmo do seu autor por certos filmes. Para isso há muito blogue por aí. Relaxem. Não levem as piadas a peito, nem foram vocês que fizeram estes filmes.


De Gana a 23 de Maio de 2009 às 01:30
GANA PARA A RUA
OU A LUTA CONTINUA


De Javé a 23 de Maio de 2009 às 01:44
situações caricatas? não são situações caricatas lol são situações normais que fazem sentido haha. Para um gajo achar estas situações caricatas também acha caricato todos os dias haver nascer o sol. haaha



De Anonimo (de cima) a 23 de Maio de 2009 às 11:39
Epa entao parabens pa. Es o melhor realizador do mundo. Vou ja ver o teu filme com a fabulosa estrela em ascensao Tom Hanks.


De Eu a 24 de Maio de 2009 às 18:45
se calahr preferes o Tom Cruise ou o john cena hahahaha


De Runcolho a 24 de Maio de 2009 às 19:54
Situações normais?!

A minha vida deve ser de facto muito anormal... nunca me aconteceu nada parecido!


De Rui a 27 de Maio de 2009 às 03:35
Hey, isso também não concordo! Deixem as pessoas indignar-se! A piada também é essa. Ler essas cenas e ficar a pensar "epá, há cada um!"


De Jave a 27 de Maio de 2009 às 22:17
concordo plenamente quando li isto pensei logo " ah cá com cada pseudo-intelectual" hahaha



De Rui a 28 de Maio de 2009 às 12:26
E então como é que distingues um pseudo-intelectual de um intelectual?


De franquelim zenaido a 22 de Maio de 2009 às 21:38
o cinelimpo é já uma referência na crítica cinematográfica no nosso país e não só (no uruguai, por exemplo, não se fala de outra coisa).

o cinelimpo está para a crítica de cinema assim como gabriel alves, rui tovar e josé nicolau de melo estiveram, a seu tempo, para o jornalismo desportivo. génios que alguns persistem em não compreender.

e mais vos digo: daqui a muitos anos ainda se falará com reverência do cinelimpo.


De coiso a 22 de Maio de 2009 às 15:47
Entao o que aconteceu ao video avulso, acabaram com ele? nao podem era uma tradiçao milenar ja do tempo do antigo canal, fazer o aleixo aparecer e desaparecer conforme vos da na cabeça ainda va que nao va, mas acavar co o video avulso e um abuso.
deixo desta forma a minha nota de repudio a esta decisao que acabou com a maior tradiçao dos gana


De Eu a 22 de Maio de 2009 às 15:44
Pura estupidez, o inegrume que escreveu isto não sabe o que diz,melhor filme do ano! vai lá dar 4.5 a filmes como "corrupção" ou outros do manuel de oliveira, esses sim é que são de um qualidade do catano.

ps: e não,as vossas cronicas sobre o filme não fazem nem sentido nem têm piada, simplesmente parem de as fazer antes que faça este espaço cibernetico meter ainda mais nojo do que aquele que já mete, depois ficam sem trabalho


De Anónimo a 22 de Maio de 2009 às 15:59
Ca burro....


De Jacinto a 22 de Maio de 2009 às 17:25
tanto mau feitio... cuidado que isso não lhe faz bem nenhum à saúde


De Eu a 22 de Maio de 2009 às 21:17
faz sim senhor, e aserio, ja paravam com os mimmics do bruno aleixo em todos e kuaisker comentarios


De A a 22 de Maio de 2009 às 20:50
Tom Hanks és tu????Um inegrume é tipo um iPhone mas em vez de ser telefone é escuridão :|


De Edgar Colaço a 23 de Maio de 2009 às 05:47
O que é "inegrume"? É parecido com energúmeno? Não que seja o caso, mas ocorreu-me agora que quando se chama estúpido a alguém e logo a seguir se tenta usar uma palavra "cara" - por exemplo, "energúmeno", que só se aprende na universidade - e sai uma barbaridade de todo o tamanho, é semelhante a lançar um bumerangue sem o lançador, ou seja, o gajo que lança, possuir qualquer espécie de coordenação motora. Além de fazer figuras ridículas, ainda leva com o projéctil que projectou, na própria tromba.

É lixado.


De Rui a 27 de Maio de 2009 às 03:31
Lindo. Mas não sei se o enurgumaro vai perceber.


De Alexandre Kulcinskaia a 22 de Maio de 2009 às 12:26
Obrigado pela dica.
Quando for ver o filme vou chegar atrasado.
_________________________________
http://kulcinskaia.blogs.sapo.pt/


De A Besta a 22 de Maio de 2009 às 12:01
Eu nado sempre de tanga, principalmente no verão em que a marca dos calções de praia é mais evidente.
Uma vez tive um ambigrama por comer berbigão fora de época, mas não sei se estamos a falar da mesma coisa.


Comentar

Últimos notícias