CENA
Sexta-feira, 29 de Maio de 2009
Deixa-me Entrar

 

 

Låt den rätte komma in


Ponto prévio para fazer notar que nunca se percebeu bem a razão para os vampiros terem tantos filmes e tanto culto à volta da sua imagem, ao passo que ninguém parece querer saber dos lobisomens; não se registando um filme decente destes indivíduos desde o “Lobijovem” - que, atenção, trata-se, inequivocamente, da melhor tradução de título alguma vez conseguida no espectro nacional da tradução de títulos de filmes. Além de não perceber a ostracização dos lobisomens, não me apresento como grande fã de filmes de vampiros – coloco a temática no lugar 77 do top 100 melhores temáticas cinematográficas, logo atrás de “filmes em que alguém afinal estava morto desde o princípio” e acima de “filme de helicópteros” -, tampouco como conhecedor profundo das criaturas em questão, mas acabo por ter que dar a mão à palmatória e louvar este filme a uma série de níveis. Portanto, Oskar, um rapaz solitário que, pelos vistos, é fã hardcore de Richard Clayderman, e que passa a vida a ser importunado por bullies, conhece Eli, uma pequena vampira que vive na Suécia, manifestamente um dos melhores países para se ser vampiro, sobretudo porque cheira-me que ao meio-dia já é quase de noite. Este filme lembrou-me que os vampiros não podem apanhar luz do sol, coisa que eu já não me lembrava bem, mas se pensasse com força até me lembrava sozinho. Luz das lâmpadas podem, não faz mal. Fiquei também a saber, graças a este filme, que os vampiros não entram em casa das pessoas sem serem convidados, o que, pese embora a questão discutível de se alimentarem de sangue humano, demonstra que são pessoas muito educadas. Cheira-me que seria gente para perceber na perfeição a dinâmica “deixar sair as pessoas antes de entrar” que tanta faltinha faz ao Metro de Lisboa, e isto desculparia de longe a parte de morderem pescoços, a meu ver. Outra coisa importante: os gatos não gostam mesmo nada de vampiros. Sei isto porque há uma cena em que um vampiro vai a casa de um homem que tem muitos gatos (não lhe deve chegar ser amplamente desprezado por um único, deve fazer questão em ser por muitos) e eles ficam todos assanhados e mordem-lhe. Não sei, contudo, qual é a posição dos gatos em relação a lobisomens. Devem ignorar, como fazem com 99,99% de tudo o que existe e acontece. Por fim, destaque para o facto de, apesar de terem vendido 600 milhões de discos, continua a parecer que não há uma única alma em toda a filmografia sueca que ouça ABBA.

 

O melhor de Deixa-me Entrar: os planos parece que são bons e a fotografia parece que é óptima. A vontade de comer neve é como deve ser sempre: agradavelmente considerável, sem nunca angustiar.

 

O mais ou menos de Deixa-me Entrar: cautela da grande! Não se pode fazer o truque “eh pá, vou só fechar um bocadinho os olhos, só mesmo um nadinha de nada, só para descansar a vista, e continuo a ouvir os diálogos, não perco nada, faço isto em quase todos os filmes”, que o filme é sueco e, quando damos por ela já o Saraband está no genérico final. Isto aconteceu-me com o Saraband e agora, neste filme de vampiros, não me lixaram.

 

O pior de Deixa-me Entrar: dar boa nota a este filme pode levar as pessoas a achar que aprecio outras bodegas com vampiros, nomeadamente a Buffy e aqueloutro filme que agora anda aí na moda entre pessoas sub-16 e sub-80, em termos de idade e Q.I., respectivamente.

Classificação: 7.5/10

 

Crítico Cine Limpo

T.C.



publicado às 00:00
comentar

Comentários

De fidalgo trenó a 31 de Maio de 2009 às 15:06
esta boa malta do CENA diz que tem um canal de entretenimento mas não põem nada ao fim-de-semana... justamente os dias em que as pessoas consomem mais entretenimento. não percebo. será porque são "não-alinhados"?...

comecem a apostar forte nos f-d-s que as audiências disparam.


De LMM a 30 de Maio de 2009 às 14:37
Não tive oportunidade de ontem cá vir, dado ser ocupado quanto baste. Hoje tive uma aberta grande e li os comentários, além do CINELIMPO. Devo dizer que deviam deixar de pagar ao pessoal dos comentários.

É que houve poucos, assim, engraçados. E o Kulchinskaia, que deve ganhar uma "pipinha das verdes" (expressão idiomática inventada agora por mim) para comentar todos os dias, quase não se exprimiu, corroborando banalidades. Discutiu-se a Suécia. Falou-se de filmes vampirescos.

E gatos? Foi falado no texto e eu gosto. Alguém falou? Pois é... Despeçam-se os comentadores, que eu é de graça e ainda me esforço. Este é, por exemplo, o meu quarto manuscrito de comentário e o primeiro digno de cá vir. É do brio de cada um.

LMM


De who cares a 30 de Maio de 2009 às 16:09
pa, mas vens aqui para ler os comentarios ou para ler os posts do gana? é que não são os comentários que têm de ter piada,já que 98% da população portuguesa pensa erradamente que tem algum género de graça e depois manda aquelas piadolas das quais ninguem se ri e até ficamos constrangidos com isso


De tobias orlando a 30 de Maio de 2009 às 16:40
felizmente os GANA não estão nesses 98% :-)


De eu sei a 31 de Maio de 2009 às 03:22
não ESTAVAM, não estavam....


De Deixa que te leve a 31 de Maio de 2009 às 12:18
Confesso que agora fiquei baralhada


De altomiro das costas inácio a 31 de Maio de 2009 às 19:43
e um frango de churrasco? já galava.


De LMM a 31 de Maio de 2009 às 21:17
Sim. Porque eu sou uma pessoa muito séria e, como tal, estava de facto a considerar realmente que há "comentadores" pagos... Se está preocupado com esses 98% (e espero que esse número venha de um artigo científico...), eu estou preocupado com aqueles cromos que consideram seriamente, e ainda comentam, as minhas javardices.

Mas não se falar dos gatos... Convenhamos!

Oh well, whatever, nevermind.

Eu e os outros 97,99999999% dos portugueses vamos continuar a não levar blogs de comédia demasiado a sério, o/a Sr./Sra. pode continuar a rezingar. Mas não se suicide! Nós precisamos de 2% de azedos, ou isto enjoa de doce.

LMM


De zeca diabo a 30 de Maio de 2009 às 12:33
é fim-de-semana e um vídeo avulso caía que nem ginjas.

abç


De De facto é a 30 de Maio de 2009 às 01:58
O filme é nojento e um cliché ambulante.

tenho dito.


De Glass a 29 de Maio de 2009 às 22:26
Na verdade tem uma musica da Agnetha Fältskog que depois virou vocalista do ABBA, então sua teoria não funciona hehe


De luis a 29 de Maio de 2009 às 17:06
aki vai uma dica de um filme para "dizerem que tal":
star wars VI o regresso do jedi

xDD


De Zequinha a 29 de Maio de 2009 às 15:10
Vi o filme há ja algum tempo, lá para março e devo izer que gostei muito, nem esperava que fizessem aqui a critica. Aconselho a todos


De Edgar Colaço a 29 de Maio de 2009 às 13:55
Diz-se septuagésimo sétimo.

Cumprimentos.


De Anónimo a 2 de Junho de 2009 às 01:45
eia olha obrigado que ninguem sabia!!


De Senhor Patrão a 29 de Maio de 2009 às 13:34
Ha uns filmes ate jeitosos de vampiros, tipo o Van Helsing e... não é só mesmo o Van Helsing.

O que nao percebo dos vampiros suecos é: Eles estao o Verão todo em casa? É que lá o sol não se põe durante esse periodo. Hibernam ou assim? Ou vão de férias para o estrangeiro?

E quanto aos gatos e os lobisomens: Só não gostam deles durante a lua cheia imagino.


De runcolho a 29 de Maio de 2009 às 23:03
Tás a falar a sério do Van Helsing?


De bitesh a 8 de Junho de 2009 às 15:03
pois s calhar até há filmes de vampiros jeitosos, mas o Van Helsing n é d certeza. Talvez (e quero salientar este "talvez") é mais o "Entrevista c um vampiro"... e mm esse n tenho a certeza.
Agr, d vampiros ou sem ser, o Van Helsing é muito mau.


De senhor patrao a 8 de Junho de 2009 às 22:31
O Entrevista com o vampiro é realmente muito bom, nem me lembrei.

E o Van Helsing, é daqueles "Hate it or love it", tal como o transformers, o procurados e o novo indiana jones. Nao conheco ninguem que se refira a esses filmes com um "nhe". Ou se gosta ou se detesta.


De Tiago Antunes a 29 de Maio de 2009 às 12:27
O "Vampiros" do Carpenter e' porreiro.


Comentar

Últimos notícias