CENA
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2009
Trufa

 

Produtor: Nestlé

 

Colecção: Longa Vida Vidro

 

Outras informações: Sobremesa láctea refrigerada com chocolate

 

Uma fotografia que não faz jus ao quão lamacenta é a cor deste iogurte.

 

 Avaliação: antes de mais, um pequeno intróito para dizer que a trufa é um fungo que, há cerca de três mil anos, se transformou em iguaria com o único propósito de ajudar a distinguir mais facilmente um idiota de uma pessoa normal. De facto, a exemplo – ainda que a diferentes níveis - dos descapotáveis, das perfomances/instalações conceptuais ou da frase “o livro é sempre melhor”, também a trufa tem este fascinante poder, o de identificar rapidamente um idiota e com uma eficácia que roça os 100%. Não é, com efeito, muito longe desta dinâmica de reconhecimento de idiotas que a trufa de chocolate – o elemento principal do iogurte hoje em análise - é criada, uma vez que esta última pretende responder às necessidades de pessoas que gostavam de ser idiotas de corpo inteiro (como são os apreciadores de trufa, o fungo), mas que, ao fim e ao cabo, acabam por não o ser porque a trufa a sério é cara com'ó raio. Deverá a pretensão a esse estado ser mais condenável - por parte de todos nós, as pessoas normais que não andam por cá para meter nojo - que a verdadeira existência de um estado de profunda idiotice? Esse é um debate quasi-centenário que, em boa verdade, merece discussão em locais onde a ofensa gratuita e pessoal seja socialmente aceite e encorajada. Adiante. E, bem, posto isto, posso adiantar que este iogurte Trufa vem no clássico, e por aqui sempre aplaudido, copo de vidro, o que, sem grande margem para dúvida, é característica para, só por si, aumentar as expectativas. A questão é que este produto começará por deitar logo por terra quaisquer expectativas positivas que se pudessem ter erigido na psique do consumidor; e tudo porque a cor se apresenta como demasiado próxima da lama para não ter efectivamente lama, seja muita, seja pouca. De modo que a dúvida em tom de lamento “então mas eu comprei lama num copo de vidro?” persistirá, com toda a propriedade, na sua mente. Mas por pouco tempo! A consistência deste Trufa vem rapidamente em nosso auxílio e, estando muito longe de algo associável a lama e bem mais a mousse de pacote, acaba por ser revelar como absolutamente decisiva na destruição dessa incerteza. Ufa. A textura apresenta-se, de resto, como o ponto forte de tudo isto, sendo que isso se torna inequívoco quando chega a hora de rapar a embalagem, revelando-se aí o Trufa como um iogurte que se rapa fácil e naturalmente, sem grandes malabarismos ou ginástica. Esta característica é ainda mais louvável se nos lembrarmos que a parte de rapar a embalagem será sempre o calcanhar de Aquiles dessa mítica entidade que é o copo de vidro enquanto recipiente de iogurtes. Todavia, enfim, devo dizer que estamos perante um produto algo enjoativo, salvo apenas pelo copo de vidro, perfeito para servir de vaso a um pé de feijão que se queira criar em casa para aquela rapariga toda ecológica e em contacto com a natureza achar que afinal até temos muito em comum e nos mostrar o regaço durante uns tempos.

 

Então e para lá do prazo de validade?

Quando já der para germinar pés de feijão, aconselho a não comer. Pelo menos tudo.

 

E em termos de nódoas?

Deixei cair nas calças, mas vou deixar secar, para depois raspar com as unhas. Cheira-me que sairá facilmente. Prevê-se uma boa prestação deste Trufa nesse capítulo.

 

Há uma colher ideal para uma degustação em toda a sua plenitude?

Nunca.

 

Nota final: 11

 

Crítico Prova Limpa

Jaime



publicado às 00:00
comentar

Comentários

De Francisco a 9 de Agosto de 2009 às 02:14
entao e dp d passado o prazo d validade? ainda s aguenta, ou estraga depressa? é q costumam mencionar esse detalhe.


De Blacksmith a 8 de Agosto de 2009 às 19:20
O conselho do pé de feijão no frasco é bom mas na prática não resultou comigo.
A moçoila no principio pensou que eu era ecológico, beijio-me quando viu os saquinhos de várias cores para a reciclagem.
Mas no fim deu-me uma estalada quando constatou que eu não reutilizava os preservativos. É certo que fui até ao fim com ela uma vez. Mas no fim contou a todas as amigas ecologistas e nunca mais consegui seduzir uma miuda dessas.
Enfim. Coisas de ecologistas...


De Edgar Colaço a 8 de Agosto de 2009 às 01:20
O amigo Jaime dá, neste artigo, a sensação de que quando era mais novo, era gozado por pessoas de bom gosto que liam livros.

Porquê tanto ódio a essas pessoas, meu Beus?


De gana a 8 de Agosto de 2009 às 13:38
Não estou bem a ver onde se fala especificamente em pessoas de bom gosto que liam livros, mas esteja à vontade para ter sensações, tirar conclusões e depois pedir esclarecimentos.

Cumprimentos,
Jaime


De Edgar Colaço a 8 de Agosto de 2009 às 18:29
Bolas. Você fala de pessoas que comem trufas, têm descapotáveis e preferem ler o livro a ver o filme.

Pessoas de bom gosto que lêem livros.

E não pedi esclarecimentos, amigo Jaime. Simplesmente perguntei o motovo de tanto ódio a essas pessoas, não lhe pareça mal.


De gana a 8 de Agosto de 2009 às 18:45
Onde é que digo que o problema é preferirem ler o livro a ver a versão cinematográfica, homem?

Cumprimentos,
Jaime


De Edgar Colaço a 8 de Agosto de 2009 às 21:18
Nem eu disse que o problema seria de preferir o livro ao filme, mas o amigo Jaime parece indicar que esta particularidade se insere no ramalhete do que faz, na sua opinião, um idiota.

"De facto, a exemplo – ainda que a diferentes níveis - dos descapotáveis, das perfomances/instalações conceptuais ou da frase “o livro é sempre melhor”, também a trufa tem este fascinante poder, o de identificar rapidamente um idiota e com uma eficácia que roça os 100%."

A meu ver, estas são qualidades que identificam pessoas de bom gosto, pelo menos a parte dos descapotáveis e do livro ser sempre melhor, uma vez que a parte das performances/instalações conceptuais não está bem esclarecida e pode dar azo a mal-ententidos.

Subentende-se que seja melhor que o filme - o livro, não o descapotável - uma vez que é raro ouvir uma pessoa dizer que prefer o livro do Monopólio ao jogo, por exemplo.

Aliás, toda essa observação acerca das pessoas pereferirem isto ou aquilo foi completemente desnecessária, visto que o tema do artigo é um iogurte, e que a trufa em questão tem a ver com o chocolate e não com o fungo.

Lamento, amigo Jaime, mas o seu artigo peca nessa parte. Não entenda, no entanto, este reparo como uma tentativa de bota-abaixo, mas sim como uma crítica construtiva para que evite, de futuro, cometer tais erros.

Agradeço-lhe o tempo e a atenção, e cordialmente me despeço,

- Edgar


De gana a 8 de Agosto de 2009 às 21:37
Ouça, se acha que "o livro é sempre melhor", paciência. Mais: se acha que dizer "o livro é sempre melhor" é indicador de bom gosto, então ainda maior paciência.

"A seu ver", ter um descapotável ou dizer "o livro é sempre melhor que o filme", são indicadores de bom gosto. A meu ver, não. Lamento se o choca e à sua biblioteca, mas há filmes que são melhores que a sua versão literária. E, repare, não existem idiotas a dizer que "o filme é sempre melhor", ao passo que existem, e bastantes, a dizer "o livro é sempre melhor". Daí a distinção no texto.

Quanto à parte que acha desnecessária, comece a ler apenas a seguir a isso (4ª linha após a foto).

Com os melhores cumprimentos,
Jaime


De Edgar Colaço a 8 de Agosto de 2009 às 22:09
"E, repare, não existem idiotas a dizer que "o filme é sempre melhor","

Você tem toda a razão, amigo Jaime, até porque ninguém seria idiota ao ponto de dizer isso.

Com cumprimentos ainda melhores que os seus,

- Edgar


De a 9 de Agosto de 2009 às 02:03
É isto que o povo gosta!


De anonimo08 a 21 de Agosto de 2009 às 10:23
vá lá rapazes... tenham calma.


De AMIGODOBRUNO a 7 de Agosto de 2009 às 22:51
ainda bem que existe Mister Cimba com o seu fantástico tira-nódoas..


De Nuno a 7 de Agosto de 2009 às 22:42
Foi na ultima segunda feira que quando andava no jumbo a procura de iogurtes diferentes decidi experimentar os da longa vida trufa de chocolate, tava indeciso entre os de bolacha maria ou os de trufa, acabei por trazer os de trufa, pk apesar de parecer lama, o de bolacha maria parecia vomitado...
fiquei bastante contente quando vi o iorgurte desta semana, pk nem conhecia os outros lol, e este tinha o experimentado nesta mesma semana...
so tenho um reparo a fazer
a consistencia do iogurte é bastante boa, nao sei como foi possivel sujar-se nas calças...
e concordo plenamente quando diz k este iogurte é muito facil rapar a embalagem... muito facil mesmo

os meus cumprimentos, e ate para a semana


De Cajolas a 7 de Agosto de 2009 às 21:33
Caro Jaime,

Lamento informar V. Ex.ª mas uma nódoa de Longa Vida Trufa não sai assim tão facilmente do tecido das calças como pretende crer na sua crónica. E acrescento, raspar com a unha só vai deteriorar ainda mais a situação. A não ser que vista umas calças igualmente em tons 'cócó', só um detergente Xau e umas danças Zulú farão milagres.

Cordiais cumprimentos.


De Jetson a 7 de Agosto de 2009 às 15:00
Longa Vida, a marca pioneira em termos de embalagens de vidro para iogurtes em portugal.

Não há muito mais a dizer.

Não deixam creditos á sua sorte.

Jetson.


De A Besta a 7 de Agosto de 2009 às 14:15
Com nódoas de chiclate nas calças eu nunca arrisco. Tenho medo de que as pessoas pensem que as minhas fraldas estão com fuga.


De O caralho a 7 de Agosto de 2009 às 13:57
www.comunasnaaac.blogspot.com


De Mimosa iogurte com sabor a morango a 7 de Agosto de 2009 às 13:22
A filosofia do iogurte no seu esplendor. O futuro da industria iogurteira, está aqui. Está cronica devia ser consultada pelos criadores de todos os iogurtes.


Comentar

Últimos notícias