CENA
Sexta-feira, 11 de Setembro de 2009
“Brega do Raparigueiro”, de The Smashing Pumpkins

 

Se ainda não está familiarizado com clipe limpo, clique aqui (se for um usuário Mac) e leia tudo até "Obrigado" ou carregue com o botão direito do rato aqui e depois em "abrir noutro separador" ou aba ou lá o que é (se for usuário PC) e leia tudo até "Obrigado". Obrigado.

 

 

 

A selecção de hoje é da autoria de Marcelo Barbosa, inatacável personalidade  de elevados  padrões morais.

 

Bio oficial de Marcelo Barbosa

 

Cidadão brasileiro de pleno direito, Marcelo Barbosa é versado em diversas artes, nomeadamente a nível criativo e prático. Natural de Porto Alegre, não distingue bem o Grémio do Internacional, facto que, durante a escola secundária, lhe valeu muita “[equivalente brejeiro de relação sexual um tudo-nada mais abrutalhada] à galo” e aquela coisa de levar com o dedo indicador e o dedo médio de outra pessoa, emparelhados, no pulso com toda a força. Colabora com os GANA a nível ideias avulsas e ajuda Pombeiro em coisas de animação que este último não saiba fazer/não queira fazer derivado a: preguiça. É mais amigo de Moreira porque foi o que conheceu primeiro, mas o seu preferido, como de resto com toda a gente, é Santo.


Marcelo Barbosa

(clique em sua cabeça para conhecer alguns dos seus trabalhos nota 10)


__________________________________________________________________________________

 

Informações gerais

Com realização a cargo de P.R. Brown (?-?), este clipe musical data de 2007 e, a bem dizer, resume-se à banda The Smashing Pumpkins interpretando uma versão de “Brega do Raparigueiro”, emblemático hino de Kelvis Duran. Em termos conceptuais, os The Smashing Pumpkins limitaram-se a convidar pessoas até ficar cheio e demasiado calor no local das filmagens, tendo depois começado a tocar num ambiente psicadélico-básico. É ainda de notar que a banda apresentaria aqui a sua nova formação, já sem aquela gaja loura e aquele chinês, e sobre a qual ninguém quer saber o que quer que seja. Na prática, aqui os The Smashing Pumpkins já eram apenas o Bill Corgan (porque a banda é mais dele) e o baterista com bexigas (porque tem uma casa para pagar).

__________________________________________________________________________________

 

Pontos a favor

 

1. Bill Corgan nunca foi o melhor exemplo estético do que é um humano – de resto, fui eu que inventei o rumor de que o homem teria seis dedos numa mão e que se via num dos telediscos mais antigos, rumor esse que, por volta de 1998, cerca de 3/8 da população nacional já havia discutido -, mas há que reconhecer o mérito de, seja em que circunstância for, se optar por usar uma capa. O planeta será um local melhor quando for governado por homens de capa, isto parece-me claro.

 

2. Tem uma mulher a tocar baixo, ocorrência que, oito em dez vezes, dá pica. O dado estatístico que delibera que oito em cada dez acontecimentos, sejam eles quais forem, dão pica a qualquer homem deverá, aqui, ser considerado como irrelevante em dinâmicas contra-argumentativas.

 

Mulher tocando guitarra-baixo. A parte

de ser mulher é 99% do encanto,

valha a verdade.

 

3. Um dos guitarristas abana muito a cabeça (em grande plano ali por volta do minuto e 48), denotando divertimento extremo ou apenas um ataque epiléptico. Seja como for, é divertido para quem vê, sendo ainda completamente inofensivo para a saúde da pessoa que estiver a abanar muito a cabeça.

 

À esquerda, em grande plano, o homem

que abana muito a cabeça. Divirta-se

contando quantas vezes ele abana muito

a cabeça neste teledisco. O primeiro

sujeito que adivinhar fica a saber um

segredo sobre um GANA à escolha.

__________________________________________________________________________________

 

Pontos contra

 

1. Tem um gajo dos Papa Roach, facto que, sob qualquer prisma, dispensará quaisquer desenvolvimentos adicionais.

 

Papa Roach no vídeo.

 

Três dos quatro Papa Roachs que

podem ser o Papa Roach de cima.

 

2. Tem o gajo dos Bloc Party, facto que, sob qualquer prisma, dispensará quaisquer desenvolvimentos adicionais.

 

Gajo dos Bloc Party. Entrou neste

clipe para dizer "ando aí agora

num projecto com o Smashing

Pumpking" quando as pessoas lhe

perguntarem "então, o que é que

andas a fazer agora?" lá no Bairro

Alto onde ele costuma sair à noite.

 

3. Olhem-me bem para a quantidade parva de guitarras que o teledisco tem! Isto acontece porque toda a gente quer tocar guitarra, pensando que as mulheres gostam mais, quando, na verdade, quem tem grande saída são os bateristas. Nos Beatles – e isto é um facto histórico documentado -, Ringo era o que mais se metia em mulheres. Nada mau, para um gajo que parece o Arafat. Enfim, a quantidade de guitarras neste teledisco é apenas mais uma prova de que os homens tudo fazem para agradar, erradamente, às mulheres e muitas deles nem dão valor nenhum.

 

Muitas guitarras, e esta parte nem é aquela

onde aparecem mais. Descubra, afinal,

quantas guitarras aparecem e fique a saber

outro segredo (pior que o anterior, porém,

mas bom na mesma).

__________________________________________________________________________________

 

Apreciação muito geral: este clipe do conjunto que, em tempos, foi o 6º melhor do estado norte-americano do Illinois (atrás de Wilco, Cheap Trick, Chicago, Survivor e Reo Speedwagon), prima pelo divertimento. Com muito boa dinâmica, bem como excelente ritmo e conjugação musico-imagética, este "Brega do Raparigueiro" afirma-se, a meu ver, como um consistente candidato à vitória final. A música deve ser isto: diversão, multiplicidade, heterogeneidade e pessoas de capa. Preenche, portanto, quatro dos seis critérios basilares de qualquer teledisco épico. Uma escolha muito competente, sem dúvida.

__________________________________________________________________________________

 

Questão final: "Marcelo Barbosa, por que razão escolheu este teledisco?"

 

Além de ser o meu preferido, foi desse daí que me lembrei na hora, mas tenho a certeza que chega perfeitamente para ficar na frente dos outros dois caras que já escolheram. Dois baba-ovo da produção musical e audiovisual norte-americana, nada mais. Se minha escolha não ficar no mínimo em terceiro nesse concurso, boto a boca no trombone e falo tudo o que sei sobre os GANA. Não é uma ameaça, estou só falando."

 

Agora clique na cabeça de Marcelo para uma

surpresa incrível 

 

 

 

Analista Clipe Limpo

Mauro



publicado às 00:00
comentar

Comentários

De Vitor a 17 de Setembro de 2009 às 23:47
Ahahahah! O GANA não sabe que os utilizadores windows podem abrir uma aba nova carregando no botão do meio do rato, mais conhecido como scroll!


De Luna a 17 de Setembro de 2009 às 17:21
Não é chinês, é japonês, como o outro do duarte e CIA! :P


De Esloveno a 14 de Setembro de 2009 às 00:20
Adoro esse vídeo!


De Alexandre Kulcinskaia a 13 de Setembro de 2009 às 08:24
De todos os 3 "Clipe Limpo" este foi o que menos gostei...
_________________________________
http://kulcinskaia.blogs.sapo.pt/


De piccio a 11 de Setembro de 2009 às 22:54
Ganhei 32,80€ no Euromilhões


De João Jotta a 11 de Setembro de 2009 às 22:04
Juro que não percebi essa do usuário Mac... é que não ha diferenças algumas nos links.
De resto, keep up the good work! (;


De Luiz Almeida a 11 de Setembro de 2009 às 22:27
Caro João Jotta.

Quem tem um Mac, pinta o cabelo e não come sopa na rua. Percebeu?
É a malta dita XPTO. Se tem um Mac....ôpa....tem IPhone e IPod. Sony-Ericsson....é para quem apanha comboio. Eles anda de descapotáveis.
O pessoal do Gana é matreiro....devem só utilizar Mac para promoção deles e do Steve Jobs. Eles colocaram a cena dos links para baralhar a malta que tem em casa, além da renda a pagar, um Tsunami bué da velho.

[]'s a todos.

Ps. Parabéns ao Gana. Mas cuidado porque eu sei falar mau também.


De João Jotta a 15 de Setembro de 2009 às 00:06
Então, quem tem Mac, é rico?
Mesmo que as férias sejam em parques de campismo, o carro seja um comercial de 2 lugares comprado em segunda mão e viva num T2 num prédio com mais de 50 anos?
Oh diabo...
Só porque optei por um computador um pouco mais caro (estamos a falar de valores ridículos quando comparados com carros, casas ou férias no Brasil, como faz o sr. Brno Aleixo [ainda que de modo económico, calculo eu]) para não ter que ser técnico informático para o usar, sou rotulado de rico?
Pronto, sou rico...


Cordeais cumprimentos,
João Jotta



Ps. Não estou a tentar entrar em guerras, só nunca percebi esse estereotipo. (;


De LuizAlmeida a 15 de Setembro de 2009 às 10:26
Caro João Jotta.

Peço sinceras desculpas se o ofendi.
O meu comentário apenas tentou seguir o mesmo humor sarcástico utilizado nos vídeos publicados pelo pessoal do GANA + Bruno Aleixo. Foi apenas isso. Uma simples brincadeira.
Eu, pessoalmente, não tenho um Mac, mas gostava de ter...e não foi pelo preço que não o comprei, pois acabei comprando um Vaio (que não foi nada baratuxo)....foi mesmo por receio de não encontrar os softwares que actualmente utilizo. (mas isso é problema meu...só estou a dizer que um Mac não é coisa de rico e tal).
Mais uma vez, peço desculpas por quaisquer transtornos.
Cumprimentos,

Luiz Almeida


De João Jotta a 15 de Setembro de 2009 às 12:09
Caro Luiz

É claro que não ofendeu. Eu é que continuo a não compreender a mania que a maioria das pessoas tem (em Portugal, pelo menos) de achar que um computador Apple é um produto de ricos. Já gastar milhares e milhares de euros em tunning, é chunga (eu não gasto, tenho um comercial a cair de podre e a minha esposa um Opel Corsa do saudoso ano de 1985 a cair ainda mais).
Quanto ao seu humor, ao contrário dos nossos carros, está bem de saúde e continuo a aprecia-lo bastante. Até me ri com os comentários, acredite! Principalmente com o da sopa até porque nos meus intervalos de trabalho para almoço, como sopa com muita frequência.
Não me ofendeu nem foi ofensivo e espero não o ter sido para consigo tão pouco. Se fui, e com aquele amuo típico do Busto, aqui ficam as minhas desculpas. (;

Mais uma vez, reforçando, continuem com o bom trabalho!


De Luiz Almeida a 11 de Setembro de 2009 às 21:14
Vamos lá fazer uma rápida análise.
Acredito que o tal Marcelo Barbosa (brasuca da gema) deve ter enviado o texto para o pessoal do Gana aí publicar.
A malta de PT então quis fazer ali qualquer coisa e traduziu à metade.
Reparem que começa com algo do tipo "se for um usuário Mac". Usuário é o nosso utilizador cá. Nem todos os portugueses sabem, mas eu sou matreiro e logo percebi.
Depois, já com a cabeça no lugar e não nas nuvens, passam a traduzir corretamente. Reparem em "com o botão direito do rato". Acho muito difícil que o Marcelo tenha escrito assim. Ele deve ter escrito "com o botão direito do mouse" e os gajos do Gana logo perceberam, deram várias risadas, e passaram à tradução.

A cena do Chinês é que eu não entendi. Quem garante que era um chinês macho? Ele era meio esquisito....tinha cara de que jogava para os dois lados.
A gaja a tocar baixo sim....mesmo gorda ou com apenas um perna, uma gaja no baixo é uma gaja no baixo. (Gisele Buchem, aproveita o toque e vá aprender a tocar baixo)
Já agora...pelo que eu vi, já teve gente que contou o balançar frenético de cabeças do gajo do clipe. Parabéns. Merece o direito de descobrir um podre dos Gana.

[]'s a todos


De Marcelo a 11 de Setembro de 2009 às 21:56
Realmente, amigo Luís, também encalhei na palavra usuário. Fora isso os meus parabéns ao meu homónimo Marcelo. Apreciei o texto, a música escolhida e o trabalho dele no teledisco.


De Marcelo a 11 de Setembro de 2009 às 21:58
E aba é a tradução brasileira dos web browsers, enquanto separador é a tradução portuguesa.


De Fred a 11 de Setembro de 2009 às 18:36
Atao? Isto mudou um bocadinho! Ainda agora os links era outros e a foto era de outra pessoa. Não era um estrunfe de costas, era um careca de frente!


De Frederico Ronconi a 11 de Setembro de 2009 às 17:55
Ficou engraçado msm, mas nunca tinha ouvido essa música, para escutarem uma boa musica aqui do Brasil recomendo-vos um site: http://radio.musica.uol.com.br/musicabrasileira/2009/08/10/programa-chega-a-100-edicao-trazendo-os-melhores-da-nova-e-da-velha-guarda-da-musica-nacional.jhtm
e mais, conheço poucos Marcelos aqui no Brasil, mas prefiro a marcelo do que os nomes avaclhados estrangeirados, tipo: Wélington (as vezes Uélintom), roberson, maicosuel, etc etc etc - como os Senhores podem ver nos nosso jogadores de futebol, e que são moda ultimamente...


De Marcelo a 11 de Setembro de 2009 às 21:53
Haha! Amigo Frederico, estamos 100% de acordo. Isso nem parecem nomes a sério. Felizmente aqui em Portugal é proibido andar a inventar nomes. Uma das poucas leis restritivas que apoio com orgulho. Prefiro ter 20 amigos chamados Pedro ou Tiago ou o que seja!


De Frederico Ronconi a 16 de Setembro de 2009 às 16:16
Sério que existe esta lei em Portugal?
cara, aqui no Brasil tem registro de um fulano que se chama:1, 2, 3 de Oliveira 4
outro: Maiqueujéqueson
precisavamos de uma lei assim aqui


De Felipe Meneguzzi a 7 de Outubro de 2009 às 17:37
O problema deste tipo de lei no Brasil é que, diferentemente de Portugal, e compreensívelmente dada a extensão do país, há muito menos uniformidade cultural em particular em termos linguísticos. Como um funcionário público poderia, objetivamente, negar um Michael (ou uma conversão fonética do mesmo) e aceitar um Günther (conheço alguns, descendentes de alemães) ou mesmo um Sergei (pois há Ucranianos no sul do país).

Claro que isto não justifica nomes como Maiquetaison ou Keitilin e afins, mas cria um problema sério para os funcionários de cartórios e afins. Até mesmo em Portugal isto funcionaria melhor tendo em vista o contexto da União Européia, e o fato de que um Português típico deve ter muito mais experiência com outras línguas Européias do que um Brasileiro típico.

Minha conclusão, estamos (com o perdão da palavra) fodidos neste aspecto no Brasil.


De Jetson a 11 de Setembro de 2009 às 15:40

OU.

Eu contei as vezes que o gajo abanou a cabeça.

Onde está o meu segredo?


Comentar

Últimos notícias