Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CENA

CENA

05
Fev09

Crónicas do Dr. Ribeiro (3)

gana

Sobre a Cirurgia Minor em caso de lesão por cabo de sachola

 

Nunca fui de enganar ninguém. Situações ocorreram na minha prática clínica, em que me chamaram disto e daquilo, mas sempre sem fundamento! Gabo-me de ter ganho em Tribunal todas as acusações de que fui alvo. Um homem que é bom naquilo que faz, não tem contas a dar a ninguém… Não era ao acaso que o Magnifico Doutor Andrade me escolhia sempre para ser o Chefe de Turma das Aulas de Anatomia, título que me fazia sentir honrado e ciente do meu dever. É porque de certeza ele via algo em mim, que essa gente acusa-cristos nunca soube apreciar!

 

Numa dessas ocasiões conturbadas da minha vida, vejam bem, entra-me um petiz pela urgência, em óbvio sofrimento, mancando do lado esquerdo, e com três nódoas negras nos queixos, que cá para mim, correspondiam a três pauladas por cabo de sachola, agressão que naquela época era prevalente na Lousã, principalmente quando estava em jogo a disputa de terrenos entre vizinhos. Tratei as feridas do miúdo, na sua maioria contusões ligeiras, não tendo havido necessidade de recorrer a qualquer sutura com fio de nylon. Preocupou-me no entanto, a situação do rapaz…não tinha idade para andar à porrada por causa de propriedades… e então perguntei-lhe: “Ó menino… quem é que te bateu na cabeça?...ele encolheu os ombros e disse que ninguém lhe tinha batido, mas que tinha sim, caído das escadas lá na escola.

 

Tendo a perfeita noção que o tinha apanhado, retorqui: “Mas ó menino, hoje é domingo! Não há escola para ninguém! E a Tele Escola da Lousã não tem sótão, quanto mais escadas!”…Perante isto, lá começou a soluçar, dizendo:”O Doutor Ribeiro é muito bom para mim… o meu pai é que não… espeta-me uma surra todos os dias…e hoje, depois da missa, fomos às corgas, e quando me apanhou a jeito, virou-me a sachola à cara…”.

 

Já irado, indaguei: Então e porque é que o sacana do teu pai te faz isso todos os dias?”. Responde-me o garoto:”Diz que eu ando a beber… mas eu nunca bebi! Nunca! Na minha boca, só entra Água e Sumol! Nunca me meti no vinho! Mas o meu pai diz que eu é que tenho andado a esvaziar o pipo! E isso não é verdade! O meu pai e a minha tia é que abusam do álcool! Eles é que levam a garrafa para a cama, quando se vão deitar!”

 

“Mas com quem é que tu vives, rapaz?”, perguntei-lhe eu. “Vivo com o meu pai e com a minha tia.”, responde-me...“Então e a tua mãe?”, perguntei-lhe eu. “A minha mãe morreu.”…

 

“E o teu tio?”, já intrigado. “O meu tio não está cá”, disse-me o miúdo.

 

A braços com este drama, senti uma revolta interior abismal…mas tinha que me certificar que o miúdo estava a falar verdade…havia duas coisas a fazer…

 

Primeiro, sentir-lhe o hálito…ora o miúdo emitia pela boca, um cheiro sadio, em nada típico de um alcoólatra. E ainda para mais, não padecia de fígado gordo à palpação. Segundo, voltar-lhe a perguntar se estava a mentir: “Ó miúdo, tu não estás a mentir ao Doutor Ribeiro, pois não?...e o gaiato responde: “Doutor Ribeiro, estou a falar a mais pura das verdades… pela Alma da sua Mãe e da Minha!”

 

…Era tudo o que eu precisava de ouvir! A minha decisão clínica estava tomada. Este garoto era deveras saudável e o seu pai, um déspota. Peguei na jaqueta e dei a seguinte ordem: “Enfermeira Manuela, eu e este menino vamos a casa do pai dele! Escusa de estar à minha espera para jantar!”. E segui caminho.

 

Ao chegar ao seu domicílio, dou de caras com o patriarca sem escrúpulos…dirijo-me a ele e questiono-o:”Oiça lá! O Senhor é o pai deste rapaz? Então acha bem andar a dar-lhe uma coça todos os dias?...Um menino tão puro e sereno? Quando ele nem bebe e é o melhor aluno do seu ano?!”.

 

O homem, Francisco de nome, dirige-se a mim com a sua sachola, e tem as seguintes palavras para comigo, palavras essas que ainda hoje me desarranjam o estômago, se associadamente comer fritos: “O Doutor Ribeiro é bom homem, e sei que quer o melhor para a Lousã…não é isso que está em causa! Mas eu também quero o melhor para este menino! E este meu filho já me fez de tudo na vida! Primeiro, foi a Aguardente velha…enchia-se dela aos Sábados com os amigos…grandes amigos!... Depois foi o MARBORO… andava-me na cigarrada quando ia comigo para os Olivais!... Mas o pior estava para vir! Fique então a saber, Doutor Ribeiro, que este menino agora meteu na cabeça que quer ir estudar para Coimbra!! Para Coimbra, vejam só! Do que se foi ele lembrar, quando sabe que o pai não tem posses para isso e, além do mais, a sua vida é aqui na Lousã, comigo, a tratar dos animais! Então não há-de levar porrada, este safado?

 

Ouvi, em silêncio, o que este senhor tinha para me dizer, e seguidamente, imbuído de uma inspiração paternal e universal, ditei a seguinte Boa Nova: “Pois fique sabendo, que dentro de um mês, eu próprio matricularei este menino no Liceu de Coimbra, com vista a ingressar futuramente no Curso de Medicina! Pagarei os estudos deste menino, até que ele se forme e possa vir servir a Lousã!”.

 

Poucos segundos depois, a população abeirou-se das suas varandas e começaram a bater palmas, a Banda Filarmónica saiu à rua tocando canções de alegria e o gado aproximou-se do centro da vila, ao som de chocalhos, enquanto o Pai Francisco permanecia agora calado… Tudo porque eu tinha dado um Futuro a este rapaz!

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D