Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CENA

CENA

12
Fev09

Crónicas do Dr. Ribeiro (4)

gana

Sobre a delegada de propaganda médica Filomena Fernandes

 

Ainda enquanto adulto jovem, e casadinho de fresco, eu e minha mulher gozávamos a vida como ninguém. A minha esposa era nessa altura uma mulher deveras atraente, uma mulher que qualquer mancebo residente na Lousã ambicionava ter. Não havia um congresso em que eu não levasse a Sãozinha…e quando não levava, logo perguntavam: “Ó Ribeiro, então não trouxeste a tua mais que tudo?... e os mais malandros ainda comentavam: “ Ribeiro, Ribeiro, não fosses tu casado pela Igreja com a Sãozinha, que era eu que levava essa Quinta Maravilha do Mundo ao Altar!”… ora, um homem sentia-se bem por ter arranjado uma mulher assim.

 

Ora, com o passar dos anos, as coisas foram mudando… vieram as rugas e logo atrás, veio a má disposição, a casmurrice, os caprichos de velha, as dores abdominais, a amargura, a fealdade facial que afinal de contas sempre lá tinha estado, as alergias, a primeira operação ao útero e anexos, as idas ao psiquiatra, o ciúme injustificado, culminando todo este negro cenário numa segunda operação ao útero, 6 anos depois de casados.

 

Se bem que o Magnífico Doutor Andrade me tinha sempre alertado para as doenças próprias da mulher, um indivíduo pensa sempre que essas mazelas não vão acontecer à sua… mas aconteceram.

 

Perante isto, em pleno início de um Verão Lousanense que se adivinhava particularmente quente, disse eu ao jantar as seguintes palavras: “Chega!”… e disse  ainda:”Este ano, não vou contigo de férias a Vilamoura! Vais só tu, que eu não te consigo aturar mais!”.

 

A Sãozinha não queria acreditar no que estava a ouvir. Perguntou-me, já em tom de despedida: “Ribeiro, tu já não me amas?”. E eu, confiante na minha decisão, respondi: “Agora não amo! Quando vieres de férias, logo se vê se te amo ou não.” E lá se pôs ela de malas a aviar.

 

Nos primeiros dias, considerei-me um homem bravo e contundente… mas depois de uma semana, passei-me a considerar um homem sozinho… e depois de um mês, já me considerava um homem bem triste e solitário. Então, comecei a fazer telefonemas para a Sãozinha a toda hora, várias vezes por dia, ainda que fosse cara a tarifa Lousã-Vilamoura. “Volta para mim”, dizia eu. “Nem morta!”, dizia ela. “Mas eu amo-te”, dizia eu. “Tu nem a tua mãe que Deus tem, amas!” dizia ela.

 

Estava difícil de a convencer a reatar a relação. Ainda que a Sãozinha se tivesse transformado numa mulher chata, sozinho é que eu não podia ficar…nem que não gostasse dela, tornava-se imperioso que eu arranjasse uma companhia, nem que fosse apenas para ir comigo aos Congressos lá fora.

 

Os dias no Centro de Saúde iam-se tornando cada vez mais difíceis, cada vez mais longos, mais sombrios… O trabalho já não me agradava… Ai se o Doutor Andrade fosse vivo naquela altura!... o que ele não diria de mim!... dava-me um responso de todo o tamanho, e punha-me a fazer consultas de Planeamento Familiar, que bem me lixava eu!”

 

Nisto, já no fim de um dia de trabalho, chega-se a Manuela à porta do gabinete, e diz-me: “Soutor Ribeiro, doentes já não tem, mas está aqui uma delegada de propaganda médica que gostava de falar consigo… quer que a mande entrar?”. Ainda não tinha eu abanado a cabeça a dizer que sim, já me entrava pelo consultório adentro, esta voluptuosa mulher, nos seus 40, que mais parecia um Avião! Aquilo só lha faltava voar, porque Asas tinha ela que chegue! Apresso-me a chegar-lhe uma cadeira, e já me estava ela a dizer: “Doutor Ribeiro, o meu nome é Filomena Fernandes, vendo ALKA SELTZER, e estou aqui para o servir.”…

 

Foi a coisa mais bonita que me tinham dito nos últimos meses! Fiquei impressionado como era possível esta junção perfeita numa mulher: por um lado a beleza, por outro a inteligência… Conversamos durante horas naquele fim de tarde, perdemos ambos a noção do tempo, ela conhecia os mesmos medicamentos que eu, tínhamos partilhado os mesmos congressos, embora, infelizmente, em quartos de hotel diferentes, e pelos vistos, ambos estávamos descomprometidos naquela altura da vida, ela divorciada há 2 longos anos, e eu, há um mês sem ver a minha mulher, quiçá, à beira do divórcio também…

 

Senti uma tamanha cumplicidade, que decidi que naquela mesma noite, algo “malandro” iria acontecer entre nós… ainda no consultório, chamei-a então para o meu colo, sob o pretexto de ser surdo de um ouvido… ela, ainda a medo, acedeu, e continuou a contar as suas histórias, sentada agora com as suas coxas mesmo por cima das minhas…

 

Às tantas, eu já não a estava a ouvir… eu já só sonhava com o Pagode… eu já só queria Pagode!

 

Encho-me de coragem, inspiro profundamente, e sai-me esta pergunta: “Ó Filomena, você quer Pagode comigo?”…

 

Ela, subitamente em silêncio, com um olhar gelado como eu nunca antes tinha visto, e após o que viria a ser uma longa pausa, inflige-me as seguintes palavras: “Doutor Ribeiro, percebeu mal o meu intento… eu vendo pastilhas dispersíveis… não faço maroteiras no trabalho!”. Nisto, salta do meu colo bruscamente, e foge-me por entre os meus dedos, que estavam já dispostos a amar esta mulher, deixando-me sozinho no gabinete, com as calças de bombazina castanha relativamente molhadas…

 

Senti-me um homem ferido, eternamente apopléctico, acabado…

 

Aparece então a Manuela no gabinete, que a meu ver, assistiu a esta tragédia por entre a fechadura da porta, e pergunta-me se estava tudo bem… embora eu tivesse dito que sim, era difícil esconder as lágrimas que brotavam dos meus olhos e era também difícil esconder o que era agora uma mancha de média dimensão na calça de bombazina.

 

Disse-me então a minha enfermeira Manuela: “ Doutor Ribeiro, um Médico não chora! Recomponha-se! Essa safada que acaba de sair não merece! Hoje mesmo, sou eu que lhe preparo o jantar! Venha! Venha!”

 

A Lousã estava triste… o seu Ribeiro tinha sido injustiçado… mas enquanto herói desta vila, precisava de me alimentar!... Levantei-me da Cadeira, arredei as lágrimas para o lado e fui comer o melhor Bacalhau à Brás de sempre!

10
Fev09

Horóscopo 2009 - Cancer

gana

 

AMOR: Este ano vai ter sorte no amor. Vai apaixonar-se por uma pessoa e essa pessoa também se vai apaixonar por si. No início vai parecer difícil, porque essa pessoa não lhe responde às mensagens, mas afinal era porque não tinha saldo.

 

SAÚDE: Este ano vai ter, pelo menos, três doenças. Intoxicação alimentar conta como doença.

 

DINHEIRO: Quando chegar o calor, vai encontrar uma nota de 5€ num bolso dumas calças de Verão. Vai ficar contente.

 

OBJECTO DA SORTE: Também é carica.

 

CARANGUEJO FAMOSO:

Brian May

05
Fev09

Crónicas do Dr. Ribeiro (3)

gana

Sobre a Cirurgia Minor em caso de lesão por cabo de sachola

 

Nunca fui de enganar ninguém. Situações ocorreram na minha prática clínica, em que me chamaram disto e daquilo, mas sempre sem fundamento! Gabo-me de ter ganho em Tribunal todas as acusações de que fui alvo. Um homem que é bom naquilo que faz, não tem contas a dar a ninguém… Não era ao acaso que o Magnifico Doutor Andrade me escolhia sempre para ser o Chefe de Turma das Aulas de Anatomia, título que me fazia sentir honrado e ciente do meu dever. É porque de certeza ele via algo em mim, que essa gente acusa-cristos nunca soube apreciar!

 

Numa dessas ocasiões conturbadas da minha vida, vejam bem, entra-me um petiz pela urgência, em óbvio sofrimento, mancando do lado esquerdo, e com três nódoas negras nos queixos, que cá para mim, correspondiam a três pauladas por cabo de sachola, agressão que naquela época era prevalente na Lousã, principalmente quando estava em jogo a disputa de terrenos entre vizinhos. Tratei as feridas do miúdo, na sua maioria contusões ligeiras, não tendo havido necessidade de recorrer a qualquer sutura com fio de nylon. Preocupou-me no entanto, a situação do rapaz…não tinha idade para andar à porrada por causa de propriedades… e então perguntei-lhe: “Ó menino… quem é que te bateu na cabeça?...ele encolheu os ombros e disse que ninguém lhe tinha batido, mas que tinha sim, caído das escadas lá na escola.

 

Tendo a perfeita noção que o tinha apanhado, retorqui: “Mas ó menino, hoje é domingo! Não há escola para ninguém! E a Tele Escola da Lousã não tem sótão, quanto mais escadas!”…Perante isto, lá começou a soluçar, dizendo:”O Doutor Ribeiro é muito bom para mim… o meu pai é que não… espeta-me uma surra todos os dias…e hoje, depois da missa, fomos às corgas, e quando me apanhou a jeito, virou-me a sachola à cara…”.

 

Já irado, indaguei: Então e porque é que o sacana do teu pai te faz isso todos os dias?”. Responde-me o garoto:”Diz que eu ando a beber… mas eu nunca bebi! Nunca! Na minha boca, só entra Água e Sumol! Nunca me meti no vinho! Mas o meu pai diz que eu é que tenho andado a esvaziar o pipo! E isso não é verdade! O meu pai e a minha tia é que abusam do álcool! Eles é que levam a garrafa para a cama, quando se vão deitar!”

 

“Mas com quem é que tu vives, rapaz?”, perguntei-lhe eu. “Vivo com o meu pai e com a minha tia.”, responde-me...“Então e a tua mãe?”, perguntei-lhe eu. “A minha mãe morreu.”…

 

“E o teu tio?”, já intrigado. “O meu tio não está cá”, disse-me o miúdo.

 

A braços com este drama, senti uma revolta interior abismal…mas tinha que me certificar que o miúdo estava a falar verdade…havia duas coisas a fazer…

 

Primeiro, sentir-lhe o hálito…ora o miúdo emitia pela boca, um cheiro sadio, em nada típico de um alcoólatra. E ainda para mais, não padecia de fígado gordo à palpação. Segundo, voltar-lhe a perguntar se estava a mentir: “Ó miúdo, tu não estás a mentir ao Doutor Ribeiro, pois não?...e o gaiato responde: “Doutor Ribeiro, estou a falar a mais pura das verdades… pela Alma da sua Mãe e da Minha!”

 

…Era tudo o que eu precisava de ouvir! A minha decisão clínica estava tomada. Este garoto era deveras saudável e o seu pai, um déspota. Peguei na jaqueta e dei a seguinte ordem: “Enfermeira Manuela, eu e este menino vamos a casa do pai dele! Escusa de estar à minha espera para jantar!”. E segui caminho.

 

Ao chegar ao seu domicílio, dou de caras com o patriarca sem escrúpulos…dirijo-me a ele e questiono-o:”Oiça lá! O Senhor é o pai deste rapaz? Então acha bem andar a dar-lhe uma coça todos os dias?...Um menino tão puro e sereno? Quando ele nem bebe e é o melhor aluno do seu ano?!”.

 

O homem, Francisco de nome, dirige-se a mim com a sua sachola, e tem as seguintes palavras para comigo, palavras essas que ainda hoje me desarranjam o estômago, se associadamente comer fritos: “O Doutor Ribeiro é bom homem, e sei que quer o melhor para a Lousã…não é isso que está em causa! Mas eu também quero o melhor para este menino! E este meu filho já me fez de tudo na vida! Primeiro, foi a Aguardente velha…enchia-se dela aos Sábados com os amigos…grandes amigos!... Depois foi o MARBORO… andava-me na cigarrada quando ia comigo para os Olivais!... Mas o pior estava para vir! Fique então a saber, Doutor Ribeiro, que este menino agora meteu na cabeça que quer ir estudar para Coimbra!! Para Coimbra, vejam só! Do que se foi ele lembrar, quando sabe que o pai não tem posses para isso e, além do mais, a sua vida é aqui na Lousã, comigo, a tratar dos animais! Então não há-de levar porrada, este safado?

 

Ouvi, em silêncio, o que este senhor tinha para me dizer, e seguidamente, imbuído de uma inspiração paternal e universal, ditei a seguinte Boa Nova: “Pois fique sabendo, que dentro de um mês, eu próprio matricularei este menino no Liceu de Coimbra, com vista a ingressar futuramente no Curso de Medicina! Pagarei os estudos deste menino, até que ele se forme e possa vir servir a Lousã!”.

 

Poucos segundos depois, a população abeirou-se das suas varandas e começaram a bater palmas, a Banda Filarmónica saiu à rua tocando canções de alegria e o gado aproximou-se do centro da vila, ao som de chocalhos, enquanto o Pai Francisco permanecia agora calado… Tudo porque eu tinha dado um Futuro a este rapaz!

03
Fev09

Horóscopo 2009 - Gemini

gana

 

AMOR: Durante este ano, o(a) seu(sua) namorado(a) não lhe vai atender o telefone por várias vezes. Você vai ficar desconfiada(o) com razão, porque ele(a) o anda a enganar. No entanto, ele(a) vai ter sempre uma boa desculpa, pelo que nunca saberá de nada.

 

SAÚDE: O seu dentista vai ter um desastre de automóvel e pode ficar incapacitado para lhe tratar dos dentes. Esteja atento(a).

 

DINHEIRO: O snack-bar ao lado do seu trabalho vai subir o café para 0,65€ e o galão e a meia de leite para 1,10€. A meia de leite, hoje, é mais barata que o galão, mas quando subirem vão custar o mesmo. Prepare-se para estes encargos adicionais.

 

OBJECTO DA SORTE: Carica. 

 

GEMINIANO FAMOSO:

La Toya Jackson

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub