Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CENA

CENA

09
Abr09

Cine Limpo

gana

 

 

Ele Não Está Assim Tão Interessado (He’s Just Not That Into You)


Aquele gajo do Armageddon anda com a gaja do Friends há sete anos e chateiam-se porque ele não quer casar. Depois também há um Ralph Fiennes todo pintas que semi-engata a Scarlett Johansson no supermercado, mas não pode desenvolver o adultério para além da corriqueira paquera porque é casado com a mulher do Hulk, aquele do Ang Lee. Entretanto, aquele garoto que o Bruce Willis tem que proteger no Die Hard 4 é um gerente de bar sem escrúpulos por aí além, que, gradualmente, se vai tornando próximo duma moça ruiva, clinicamente desequilibrada, que era a mulher má do Johnny Cash naquele filme sobre o Johnny Cash. Finalmente, o irlandês pequenito do Entourage é um promotor imobiliário em ascensão e uma dos Anjos de Charlie tem um emprego qualquer que lhe dá espaço de manobra para passar a vida no Myspace. Depois há aqui histórias que se cruzam e até uma montagem sem qualificação ao som da única cantiga identificável dos Keane, mas que, curiosamente, chega e sobra para os querer ver torturados à frente das próprias mães.

 

O melhor de Ele não está assim tão interessado: Scarlett Johansson a ver as suas formas acentuadas pelos apalpões do Ralph Fiennes todo pintas.

 

O mais ou menos de Ele não está assim tão interessado: gosto dela, mas a mulher do Hulk está muito magra.


O pior de Ele não está assim tão interessado: o facto de ser um filme e não apenas um livro que eu nunca vou ler.

 

Classificação: 3/10

 

______________________________________________________________________________

Dupla Sedução (Duplicity)


Depois de, há duas semanas, ter visto o trailer, sujeitei todo o meu ser a estas mais de duas horas de película. Trata-se de uma obra onde um espião e uma espia unem esforços para ganhar uma pipa de massa, mas afinal o Tom Wilkinson estava a enganá-los a todos porque tem um Bonsai grandão na secretária e nota-se que é mais inteligente e ponderado. Ficámos todos muito admirados, uma vez que, afinal de contas, nem sabíamos perfeitamente que, quando ainda faltava muito para acabar e o filme já está a fingir que está tudo resolvido, ia haver um twist. O senhor realizador e argumentista achou ainda necessário explicar-nos a sua própria reviravolta com uns flashbacks porque, MEU DEUS!, é demasiado complexa e elaborada para um humano normal perceber. Haja sensibilidade e noção do ridículo.

O melhor de Dupla Sedução: não obstante tudo o que se diga, não é nenhum “Ele Não Está Assim Tão Interessado”.

 

O mais ou menos de Dupla Sedução: eram duas horas que, valha a verdade, eu ia passar a ver televisão.

 

O pior de Dupla Sedução: a cena do genérico inicial – uma luta em câmara lenta entre duas pessoas de fato -, que dá a entender que se trata de um mau filme de rir e depois é apenas um mau filme.

Classificação: 5/10

 

Crítico Cine Limpo

T.C.

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D