Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CENA

CENA

26
Jun09

Transformers – Retaliação

gana

 

 

Transformers: Revenge of the Fallen

 

A sensação que deve trespassar qualquer pessoa de bem após os cento e 50 minutos deste, enfim, filme (que, tecnicamente, é o que é, dando no cinema, tendo um genérico e isso) é a de que acabou de ver coisas do Species – Espécie Mortal, do Exterminador Implacável, do Gremlins, do Matrix e do Indiana Jones, mas tudo misturado e com transformers à bulha. Até se percebe a ideia do Michael Bay, o homem que ass(ass)ina  - chiça, que trocadilho tão bom, como é que nunca ninguém fez? - esta fita: todos os filmes aonde foi rapinar coisas têm o seu valor, por que porra uma mistura à balda desses mesmos elementos não havia de resultar? Não resulta da mesma forma que misturar pizza, palitos La Reine, iscas, pudim e molho de escabeche* - e pese embora o valor individual, sempre discutível, de todos estes pratos - não resulta, fazendo, inclusive, a pessoa vomitar. Bem, adiante, mas é, que isto custa a todos. Parece que, neste segundo episódio da saga Transformers, o Simon Le Bon, ou lá que porra é, entrou na faculdade e a sua namorada que arranja motas em Los Angeles (bela desculpa para a ter de cu para o ar em calções de ganga) é a Megan Fox. Antes disto, ficamos a saber que há actividade dos transformers maus em Xangai, cidade onde aparentemente é de dia às dez e tal da noite, sendo que basta uma troca de planos para ficar noite escura. Hum, pensam os transformers bons e os tropas humanos com 1/20 do tamanho e 1/100 da capacidade bélica, isto aqui há gato. E há mesmo, ainda que estejamos perante um argumento que parece ter sido escrito à medida que se iam filmando cenas.

 

O que consta, a dada altura, é que os transformers maus querem apanhar o Simon Le Bon porque o cérebro dele sabe umas moradas para fontes de energia. O chefe dos Transformers bons, Optimus Prime, avisa-o que vai haver chatice, mas o garoto está mais interessado em acabar os estudos e não faz caso. Destaque particular aqui para um dos momentos mais conseguidos do filme, mas só porque o Optimus Prime e o Simon Lebouef fizeram lembrar o diálogo entre o Omar Shariff e o Rambo III, se bem que trocando as grutas do Afeganistão por um cemitério em pleno dia. Local bem mais propício para uma conversa entre um garoto e um robot de 25 metros, sem dúvida, mas o que interessa é que o épico “This is not your war”, ou, no caso, uma variante muito próxima, foi proferido. A partir daqui é complicado identificar um fio condutor, sobretudo porque uma pessoa vai ficando cansada e farta-se de tentar tapar todos os buracos de argumento com o seu cimento mental. Vemos um um robot pequenito a montar - sim, no sentido lúdico-reprodutivo do termo - a perna esquerda da Megan Fox; há dois robots que, por alguma razão que ultrapassa tudo e todos, falam e agem como se fossem dreads estereotipados de um qualquer filme de 1997-2003; há piadas com tomates de robots e, calma, que há mais, com gases de robots; há um robot velho, com barbas e tudo, que apesar de se poder transformar em avião e voar, prefere coxear de bengala; e, numa das minhas cenas preferidas, enquanto o Shariff Lebouef está no meio do confronto final entre transfomers bons e maus, aparecem os seus próprios pais, em pleno deserto egípcio, e a admiração dele é quase nula. Sumarizando, de um filme que praticamente começa com piadas de um cão pequenito a canzanar um cão maior e mal-humorado (em sua defesa, há que dizer que é o tipo de piada ideal para determinada época e contexto histórico, e só é pena que na Idade Média não existisse cinema), há apenas que alertar para o facto de quase nem se perceber o que acontece nas lutas entre robots e ser complicado saber quem está a ganhar, para além de, só por si, ser sempre complicado saber quem são os bons e os maus.

 

* Fica o desafio para, a cada filme citado, fazerem corresponder uma destas comidas. Só uma correspondência é a correcta.

 

O melhor de Transformers – Retaliação: Megan Fox e o seu poder de, em 90% do tempo em que está no ecrã, se movimentar em câmara lenta. Nem as Marés Vivas conseguiram alcançar este rácio de “tempo no ecrã/mexer-se em câmara lenta”. E ainda bem que grande parte do filme é no deserto, um sítio quente. Se, por acaso, fosse no Árctico, toda a locomoção em câmara lenta da Megan Fox seria apenas uma maçada, essencialmente porque a rapariga estaria de kispo. Menção honrosa, só porque sim, para o facto de John Turturro ter decidido, por razões desconhecidas, escalar uma pirâmide enquanto um robot aspirador gigante fazia o mesmo.

 

O mais ou menos de Transformers – Retaliação: a meio do confronto final no deserto egípcio, um soldado americano grita “aí vêm os jordanos”, todo contente, o que nos leva a pensar que é desta que os maus levam na focinha de vez. Mas essa ilusão dura apenas 7 segundos, que é o tempo dos dois helicópteros jordanos serem abatidos, um com um míssil, o outro com uma chapada.

 

O pior de Transformers – Retaliação: coisas como “O Paciente Inglês” ficam a pelo menos mais um filme de distância do título de “pior obra da história do cinema”. 

 

Classificação: 2/10

 

Crítico Cine Limpo

T.C.

17 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D